Páginas

domingo, 11 de dezembro de 2016

7 months and not even one more day.

No final das contas não adianta reclamar, certas coisas acontecem porque nós deixamos. A verdade é que eu encantei-me com aquilo que eu "acreditava" que eras, com aquilo que tu dizias porque na realidade todas as tuas atitudes, ou a maioria delas, eram uma merda. Davas-me esperanças mas depois quando metíamos as cartas na mesa tu vinhas com as conversas do " ah mas eu nunca te dei esperanças nem disse que queria namorar". Deixei sempre todos por ti, enquanto que tu na última da hora tinhas sempre algo mais importante para fazer e eu acabava por desculpar e esquecer. Fazias ciúmes e eu lá tentava mudar algumas atitudes porque queria que te sentisses seguro (apesar de não teres nenhum motivo para desconfiar de mim) para depois ver que tu fazias igual ou até pior, mas claro que eu não podia discutir contigo sobre o assunto, porque nós não tinhamos nada um com o outro, não estou certa? Pois é. É triste, dizeres-me isso se depois as mensagens, os ciúmes  e a forma que agias comigo quando estávamos juntos demonstravam completamente o contrário. É triste, num dia as coisas estarem tão bem e no dia a seguir parecermos estranhos. As pessoas virem-me perguntar " e então, como estão as coisas com aquela pessoa?" e eu sem saber se digo que não deu ou que nunca mais falámos, porque a verdade é que tu nunca " acabas" nada! Nunca foste homem suficiente para te chegares ao pé de mim e dizeres que o melhor é cada um seguir em frente ou merda assim. Apenas deixas de falar, continuas a fazer a tua vida e eu é que fico sempre plantada à espera que venhas falar de novo. Mas eu cansei de esperar, cansei de cortar conversa com outras pessoas com receio que descubras e penses mal de mim ou até mesmo com a esperança que venhas falar comigo outra vez... Cansei de ter esperanças em relação a nós, em relação a ti. Já perdi muita vez o meu orgulho, o meu amor-próprio ao lutar por pessoas que não mereciam. Já o fiz por ti também, e desculpa-me, mas não o vou fazer mais. Não esqueci uma pessoa que só me fez mal para sofrer por outra igual, não mesmo. Até um dia.
F.